Rua de Mão Única

"Para os grandes, as obras acabadas têm peso mais leve que aqueles fragmentos nos quais o trabalho se estira através de sua vida" - Walter Benjamin

sábado, setembro 03, 2005

 
Sem título, Angelo Milani

Capineiro

Os velhos passam o tempo na frente de suas casas com portas e janelas que dão para a rua. Não há nada para se fazer e os dias são longos e parados. Pontualmente às sete horas da noite entra a voz do Brasil. O sono chega e o silêncio reina absoluto na praça defronte a igreja de São Sebastião. Sem flores nem perfumes a cidade morre perdida no sonho de cada morador.

(do livro "Pessoas bonitas acordam tarde")

sexta-feira, setembro 02, 2005

 
Vão

Sente saudades da mãe, não muita do pai. Acha que não vale a pena chorar e assim como veio irá partir. Tem certas coisas que são difíceis de segurar. As paredes estão caindo e olha só: a porta está aberta. Mas certamente, depois de tanto tempo assim, esqueceram de trancar. E por não se lembrar de afagos ou outras alegrias, se quiser, pode agora entrar, beber, berrar e brigar. A casa está vazia e não há ninguém para acolher nem para dizer adeus.

(do livro "Pessoas bonitas acordam tarde")

quinta-feira, setembro 01, 2005

 

Boca Suprematista, Arthur Omar


Um encontro

Os olhos se tocaram ásperos naquele final de tarde modorrento, sem vírgulas ou ponto final. Ele não procurava nada. Ela apenas sonhava. Rapidamente desenharam ávidos traçados entre expressões de química e sorrisos mal disfarçados. Parados, pareciam flutuar. Ela fingia que não via e ele fingia conhecê-la de algum lugar. Aparentemente ínfimo a distância que os separavam. Bastaria apenas um dedo para virar pelo avesso a terra que teimava em girar ao contrário. Ela, rompendo a timidez, ofereceu-lhe um beijo e depois outro e outro depois de outro, e ele, estático, como uma fria folha de revista, recebia a dádiva em perpetuo silêncio.

(do livro "Perambulando pelo caos" - série - amores # 1)

quarta-feira, agosto 31, 2005

 
Medéia - Manoel Neto, 2002

Alegria, alegria

Hoje quem paga a conta sou eu. Há noites em que é preciso arrombar a porta, tomar à frente, deitar à mão. Despedaçar a cabeça na calada madrugada. É na contracorrente da garganta que a voz verte bruta. Desce mais uma, meu irmão! Ontem o destino dançou num instante na ponta de um facão. Qual silêncio se segura, quando na rua o mundo grita?

(do livro "Pessoas bonitas acordam tarde")

 

Caos Urbano, © Dalvan da Silva Filho

Sabor de Coca

Subitamente você desperta. Seu coração está acelerado e suas mãos molhadas. Atônito, corre para recuperar o tempo perdido. Ao sair de casa você se esquece de trancar a porta e o seu carro não pega porque a bateria arreou. Você decide ir de ônibus, porém a espera transforma-se numa lenta e eterna agonia. No meio do caminho ele quebra. Com o estomago na boca e a boca com gosto de cerveja, decide ir a pé. Ao chegar no escritório, cansado, suado e descabelado, você nota que seus colegas lhe olham com estranheza, abismados com a sua presença naquele local. Você pensa que é porque está atrasado. Quando chega em seu canto,o mesmo canto, aquele mesmo canto onde você, hora após hora, planejou a aposentadoria, as viagens, os filhos que teria com a mulher que nunca teve, naquele mesmo canto que supostamente sempre imaginou ser o seu canto, ao invés de encontrar tudo em seu devido lugar, depara-se com um estranho. Ele, perplexo, olha para você e hipocritamente lhe diz: Bom dia.

(do livro "Perambulando pelo caos" - série - urbanidades # 3)

terça-feira, agosto 30, 2005

 



Sopé

Às vezes pensa em ir embora, outra sente saudades da mulher e acha que vai morrer sem nunca ter visto o mar. Ou que já está um bagaço e não vale mais a pena. Sabe apenas o que vê pela tevê e nem liga se a terra onde mora é do governo. Diz que um dia a mata vai desaparecer e deseja ser enterrado na cidade onde nasceu. Mas acha que fica muito longe e na hora ninguém vai se lembrar.

(do livro "Pessoas bonitas acordam tarde")

segunda-feira, agosto 29, 2005

 


Paisagem 1 - ©Constança Lucas, Desenho sobre papel, 2000
Despertar em Valença
Volto a sonhar. Já não é mais Natal e o Ano-Novo está pra lá de velho. Estou em Janeiro e minha casa é apenas uma pálida lembrança diante das plantações de dendê. Junto ao sol que me desperta, ainda sonolento e entorpecido de ar, silêncio e cheiro de canela, espanta-me estar vivo. Acho que somente depois do meio-dia terei coragem para abrir os olhos e voltar a encarar meu próprio tempo.

(do livro "Pessoas bonitas acordam tarde")

 
Ritual - Carlos, Óleo sobre papelão, 1951
Questão

Acordou de madrugada. Sua mulher e seu filho dormem. Não quis ligar a televisão, tampouco o rádio. A casa está silenciosa. Não há nada para ser feito. Tudo está em ordem. Apenas perdeu o sono. Não sabe o motivo, nem deseja sabê-lo. Talvez assim seja melhor. É bom começar um novo século. A casa paga. O carro na garagem. A geladeira cheia. Nenhuma novidade, nenhum sobressalto. Mas, está tudo bem. Todos estão com saúde. É isso que importa nessa vida. Saber que todos estão bem.

(do livro "Pessoas bonitas acordam tarde")

domingo, agosto 28, 2005

 
Raízes - Frida Khalo, 1943



Miniambiente


Estou sem tempo, atrasado, ocupado, meio consumido, pensando se conseguirei chegar antes que o guarda resolva travar a porta. Corro assombrado, cortado em pedaços, esbaforido, feito uma tela expressionista, escorrendo os pés pelos vãos da cidade. É verdade, não estou brincando. Preciso dar conta do recado, suar a camisa, torcer o rabo do gato pra gerir meu ganha-pão. Meu chefe não compreenderia se eu retornasse para o escritório sem as autenticações. Ele vive roendo as unhas, procurando um nó cego, uma besta qualquer pra descontar suas mazelas. Veja, estou com as mãos atadas, sem nenhuma chance de parar, atolado até o pescoço de trabalho. Lutando para manter a cabeça no lugar. É, estou voando, torcendo, rezando pragência estar aberta e não ser barrado na porta. Até a noite, sou como um balão vermelho: hora após hora, caindo. Sem tempo, sempre atrasado, ocupado, ocupadíssimo.

(do livro "Perambulando pelo caos" - série - urbanidades #2)

 




Viva o velho vermelho

Pois é, agora não tem jeito! - suspirei.

A minha cidade, aquela mesma cidade tão apinhada de gente, outrora industrial, assombrosamente cinza até os ossos, mergulhava em si mesma como um saco velho de cobre. Cadê idéia, cadê dia, cadê a vida que jazia aqui como sobre a mesa de um bar? Onde estão os empregados, as moças e os velhos camaradas? Será que sonhei eu sozinho - como um relógio atrasado - o eterno domingo, o doce tédio das horas?

(do livro "Perambulando pelo caos" - série -urbanidade # 1)

hisTórico

08.28.2005   09.04.2005   09.11.2005   09.18.2005   09.25.2005   10.02.2005   10.09.2005   10.16.2005   10.23.2005   11.20.2005   11.27.2005   12.04.2005   12.11.2005   12.18.2005   01.29.2006   02.05.2006   02.12.2006   02.19.2006   02.26.2006   03.05.2006   03.12.2006   03.19.2006   03.26.2006   04.02.2006   04.09.2006   04.16.2006   04.23.2006   04.30.2006   05.07.2006   05.14.2006   05.21.2006   05.28.2006   06.04.2006   06.11.2006   06.18.2006   06.25.2006   07.02.2006   07.16.2006   07.23.2006   07.30.2006   08.06.2006   08.13.2006   08.27.2006   09.10.2006   09.17.2006   09.24.2006   10.01.2006   10.15.2006   10.22.2006   10.29.2006   11.26.2006   12.17.2006   01.28.2007   02.04.2007   02.11.2007   02.18.2007   02.25.2007   03.11.2007   05.18.2008   07.06.2008   08.31.2008   10.19.2008   12.14.2008   02.01.2009   02.15.2009   02.22.2009   03.08.2009   03.29.2009   04.19.2009   04.26.2009   05.31.2009   06.21.2009   08.09.2009   12.20.2009   01.31.2010   05.09.2010   05.16.2010   06.27.2010   02.06.2011   06.05.2011   08.14.2011   08.28.2011   04.29.2012   12.02.2012   04.21.2013   09.22.2013  

pUbliCaçÕes

Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº30
Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº31
Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº32

aRtiGos

Usina de Letras
fotoclube F/508
Cronópios

OuTros imPosTos

Alê
Algaravária
Alexandre Costa
Ana Baggio
Arruda
Carlos Besen
Carpinejar
Celso Boaventura
Chloè
Cláudio B. Carlos
Claudinei Vieira
Cronópios
Dioneide Costa
Edilson Pantoja
Eduardo Baszczyn
Eduardo Oliveira
EscritorasSuicidas
Estulticia
Elidio Soares
Elisa Andrade Buzzo
Hermes Bernadi
Ivã Coelho
Larissa Marques
Marcelino Freire
Marcos Pardim
Marilena
Menalton Braff
Mim
Nandi
Natércia Pontes
Nilto Maciel
Nirton Venancio
Pedro Paulo Pan
Pedro Paulo Pan
Projeto Identidade
Rubens da Cunha
Tudo Lorota
Valéria
Whisner Fraga
eXTReMe Tracker Divulgue o seu blog! Site Meter

This page is powered by Blogger. Isn't yours?