Rua de Mão Única

"Para os grandes, as obras acabadas têm peso mais leve que aqueles fragmentos nos quais o trabalho se estira através de sua vida" - Walter Benjamin

sábado, setembro 02, 2006

 

Ponto zero

Ao meio-dia de um dia insuportavelmente quente, abafado e seco, saltava de um carro vermelho, na altura do número doze mil e quinhentos da avenida S, zona Leste da cidade de P, trajando um longo vestido azul turquesa, muito pancake branco na cara, olhos cintilantes, vasta cabeleira lilás, sapatos tipo plataforma, meias com as cores do arco-íris, esbanjando disposição, uma criatura da noite. Espalhafatosa, imponente, majestosamente divina, enquanto fechava o trânsito, entre voltas e saltos, convidou a todos para cair no meio da pista. Parados, estáticos, mudos e calados, o povo um povo só delicadeza; acostumado ao sobe e desce das lotações, ao concerto frenético do ir e vir, desconfiado, matutou. Por acaso, estava doido? Dançar? No meio da semana?

(ilustração - As crianças de Sebastião, Fátima Miranda)

domingo, agosto 27, 2006

 

Faixa de Pedestre

Desde pequeno, quando ainda nem era gente grande, cofiava os dias numa correria danada, ora uma manhã aqui, outra acolá. Tudo provisório. E seguiria adiante nesse sufoco se o acaso não lhe tivesse acenado com a promessa de dinheiro fácil. Rapaz esperto, não pensou duas vezes. Oferta irrecusável. Oportunidade única. Nada de carteira registrada. Nada de fundo de garantia. Nada de chegar zerado ao final do mês. Para cada serviço realizado, dinheiro vivo na mão. Exigia-se apenas agilidade e muita discrição. Coisa simples, descomplicada. Quando receber a mensagem, já sabe… Basta pegar o pacote e deixar no local combinado. Entusiasmado, nem quis saber o que transportaria.

Os carros passavam entre ele e a agência bancaria. Enquanto zunissem no asfalto, sem chance. Interrompido pelo sinal de pare, tinha jeito não. Atrasadíssimo, por mais que quisesse era impossível atravessar. Ora, logo na primeira entrega? No mínimo, seria repreendido. Porém, fazer o quê? Conteve-se. Celular no bolso, encomenda na mão. O ar quente, seco. Por onde andava os irmãos naquela noite? Olhou para um gigantesco luminoso. Oh, sim, um dia ainda teria uma televisão de plasma. Uma jovem também esperava o semáforo abrir; muito parecida com sua namorada.

Aberto o sinal, não perdeu tempo. Ligeiro, desajeitadamente rápido demais, seguiu o fluxo de pedestres. No meio da travessia, nada viu ou ouviu, sentiu apenas um vigoroso e silencioso baque; e como num passe de mágica, sobrepujou em muito os céus da grande metrópole.

Onde você estava na hora? - perguntaria um repórter para uma senhora de fino trato, indignadíssima com a falta de segurança.

(ilustração - Serie Afriacana 3 - Miriam Rubino Rinck)

hisTórico

08.28.2005   09.04.2005   09.11.2005   09.18.2005   09.25.2005   10.02.2005   10.09.2005   10.16.2005   10.23.2005   11.20.2005   11.27.2005   12.04.2005   12.11.2005   12.18.2005   01.29.2006   02.05.2006   02.12.2006   02.19.2006   02.26.2006   03.05.2006   03.12.2006   03.19.2006   03.26.2006   04.02.2006   04.09.2006   04.16.2006   04.23.2006   04.30.2006   05.07.2006   05.14.2006   05.21.2006   05.28.2006   06.04.2006   06.11.2006   06.18.2006   06.25.2006   07.02.2006   07.16.2006   07.23.2006   07.30.2006   08.06.2006   08.13.2006   08.27.2006   09.10.2006   09.17.2006   09.24.2006   10.01.2006   10.15.2006   10.22.2006   10.29.2006   11.26.2006   12.17.2006   01.28.2007   02.04.2007   02.11.2007   02.18.2007   02.25.2007   03.11.2007   05.18.2008   07.06.2008   08.31.2008   10.19.2008   12.14.2008   02.01.2009   02.15.2009   02.22.2009   03.08.2009   03.29.2009   04.19.2009   04.26.2009   05.31.2009   06.21.2009   08.09.2009   12.20.2009   01.31.2010   05.09.2010   05.16.2010   06.27.2010   02.06.2011   06.05.2011   08.14.2011   08.28.2011   04.29.2012   12.02.2012   04.21.2013   09.22.2013  

pUbliCaçÕes

Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº30
Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº31
Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº32

aRtiGos

Usina de Letras
fotoclube F/508
Cronópios

OuTros imPosTos

Alê
Algaravária
Alexandre Costa
Ana Baggio
Arruda
Carlos Besen
Carpinejar
Celso Boaventura
Chloè
Cláudio B. Carlos
Claudinei Vieira
Cronópios
Dioneide Costa
Edilson Pantoja
Eduardo Baszczyn
Eduardo Oliveira
EscritorasSuicidas
Estulticia
Elidio Soares
Elisa Andrade Buzzo
Hermes Bernadi
Ivã Coelho
Larissa Marques
Marcelino Freire
Marcos Pardim
Marilena
Menalton Braff
Mim
Nandi
Natércia Pontes
Nilto Maciel
Nirton Venancio
Pedro Paulo Pan
Pedro Paulo Pan
Projeto Identidade
Rubens da Cunha
Tudo Lorota
Valéria
Whisner Fraga
eXTReMe Tracker Divulgue o seu blog! Site Meter

This page is powered by Blogger. Isn't yours?