Rua de Mão Única

"Para os grandes, as obras acabadas têm peso mais leve que aqueles fragmentos nos quais o trabalho se estira através de sua vida" - Walter Benjamin

quinta-feira, abril 20, 2006

 
El descenso - Carmelo Sobrino

Cão chorando sobre o leito de um rio

Naquele fim de mundo, onde qualquer gesto, ato ou fala, era comentado, deveria ele ter cruzado a sala, lançado um olhar sobre o corpo e, beijando-lhe os lábios, dizer-lhe adeus? Não estavam as lágrimas nos lenços, os filhos consolados pelos parentes, as velas quase no fim, as rezas perdidas no ar, a esposa amparada e a alma encomendada? Entretanto, assim como não havia neve na janela nem jamais haverá, preferiu calar-se; e, num canto, aguardar a sua vez.

(do livro "Perambulando pelo caos" - série - amores # 15)

Comments:
Olá Claudio

"entretanto, assim como não havia neve na janela nem jamais haverá, preferiu calar-se; e, num canto, aguardar a sua vez.."

Adorei o texto.
Habeijos
 
amores que deixamos clandestinos... deixar os segredos nas montanhas... mundo bobo este o nosso!
um beijo
 
E ela vai chegar.
Pra você, pra mim e pra ele.
 
Lembrei desse texto de Quintana..
A Coisa

"A gente pensa uma coisa, acaba escrevendo outra e o leitor entende uma terceira coisa... e, enquanto se passa tudo isso, a coisa propriamente dita começa a desconfiar que não foi propriamente dita."

Adoro seus textos..sempre leio e releio todos.

Bjs
 
Muito bom!

*CC*
 
Ver a morte de longe é algo que me encanta, mas já perdi muitos meus, sei que é ferida imposta, que jamais cicatriza. Amei...
 
'neve na janela'... 'nunca haverá'. Penso que nada acontece atoa (à toa). Algum dia haverá neve na janela porque este é um mundo mutante e alguns atos 'plantados' outros colherão. Para ele nunca haverá neve na janela. O que importa é que ele ali era só mais um perante a fila, mas dentro dele era o personagem principal.
Abraços Claudio, bom feriado
 
, texto intrigante. interessante. a cada leitura tiro uma conclusão. almas encomendadas a esperar a sua vez...
|abraços meus|
 
Muito bom. Contos curtos mas com grandes histórias.
parabéns.
http://cartasintimas.zip.net
http://dudve.blogspot.com
 
algumas espécies de amores enterram-se mesmo, quer seja no fim do mundo, onde judas perdeu a bota, e às vezes, na redondeza mesmo. grande abraço.
 
Cláudio, és um especialista em "instantâneos". Em cada um, a semelhança a fagulhar o suficiente para o reconhecimento. Para um benjaminiano, o benjaminianês fará sentido, certamente. Em outras palavras, meu caro, captas a alma de quem lê, uma alma aurática, talvez, apreensível apenas na fagulha, vá lá que seja.
Gostaria de saber se eu disse algo. Aguardo.
Forte abraço!
 
Claudio, sua maneira de narrar este evento se assemelha ao modo como o fazia Guimarãres Rosa. Não me refiro a uma passagem específica do conto. Mas a sua essência. Gostei muito. Você alcança nas suas pequenas narrativas um grau de beleza muito raro.
beijos.
 
São aqueles momentos que não sabemos exatamente como agir, quando as reações são reanalisadas, imitamos um filme ou guardamos para nós os arroubos de emoção? beijos de mim
 
emudecer assim, cala a alma, os ossos, a vida...
 
é nos fins de mundo que encontramos os devidos fins: o desviver: e agora?
 
se a gente pudesse mesmo ter a medida exata e somente aguardar a vez...

viveríamos um dia, após o outro...sem sofrimento...

uma busca, sempre.
 
Bem, as vezes saber esperar é um dom.

Abçs, amigo.

Bom inicio de semana.
 
Isso beira deliciosamente o non-sense, non-sense, mas cheio de sentido. Only you, Claudio!
abçs
Ilidio
 
De certa forma, acho que me vi nessas tuas linhas... nunca soube o que falar, o que pensar ou o que dizer em situações como essa. Mas resolvi o problema. Não vou mais a enterros. E ponto final.
Beijos
 
De certa forma, acho que me vi nessas tuas linhas... nunca soube o que falar, o que pensar ou o que dizer em situações como essa. Mas resolvi o problema. Não vou mais a enterros. E ponto final.
Beijos
 
A ideia de um cão a chorar....
 
Muito bom, muito bom...
 
Que coisa, como mexem comigo as tuas cenas. Quedo-me muda, os olhos secos, a língua saburrenta, esperando a minha vez.

Abraços e parabéns pela intensidades
 
Que beleza!
rapaz, eu me vi ali. Comovente. bj laura
 
Postar um comentário

<< Home

hisTórico

08.28.2005   09.04.2005   09.11.2005   09.18.2005   09.25.2005   10.02.2005   10.09.2005   10.16.2005   10.23.2005   11.20.2005   11.27.2005   12.04.2005   12.11.2005   12.18.2005   01.29.2006   02.05.2006   02.12.2006   02.19.2006   02.26.2006   03.05.2006   03.12.2006   03.19.2006   03.26.2006   04.02.2006   04.09.2006   04.16.2006   04.23.2006   04.30.2006   05.07.2006   05.14.2006   05.21.2006   05.28.2006   06.04.2006   06.11.2006   06.18.2006   06.25.2006   07.02.2006   07.16.2006   07.23.2006   07.30.2006   08.06.2006   08.13.2006   08.27.2006   09.10.2006   09.17.2006   09.24.2006   10.01.2006   10.15.2006   10.22.2006   10.29.2006   11.26.2006   12.17.2006   01.28.2007   02.04.2007   02.11.2007   02.18.2007   02.25.2007   03.11.2007   05.18.2008   07.06.2008   08.31.2008   10.19.2008   12.14.2008   02.01.2009   02.15.2009   02.22.2009   03.08.2009   03.29.2009   04.19.2009   04.26.2009   05.31.2009   06.21.2009   08.09.2009   12.20.2009   01.31.2010   05.09.2010   05.16.2010   06.27.2010   02.06.2011   06.05.2011   08.14.2011   08.28.2011   04.29.2012   12.02.2012   04.21.2013   09.22.2013  

pUbliCaçÕes

Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº30
Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº31
Literatura - Revista do Escritor Brasileiro - nº32

aRtiGos

Usina de Letras
fotoclube F/508
Cronópios

OuTros imPosTos

Alê
Algaravária
Alexandre Costa
Ana Baggio
Arruda
Carlos Besen
Carpinejar
Celso Boaventura
Chloè
Cláudio B. Carlos
Claudinei Vieira
Cronópios
Dioneide Costa
Edilson Pantoja
Eduardo Baszczyn
Eduardo Oliveira
EscritorasSuicidas
Estulticia
Elidio Soares
Elisa Andrade Buzzo
Hermes Bernadi
Ivã Coelho
Larissa Marques
Marcelino Freire
Marcos Pardim
Marilena
Menalton Braff
Mim
Nandi
Natércia Pontes
Nilto Maciel
Nirton Venancio
Pedro Paulo Pan
Pedro Paulo Pan
Projeto Identidade
Rubens da Cunha
Tudo Lorota
Valéria
Whisner Fraga
eXTReMe Tracker Divulgue o seu blog! Site Meter

This page is powered by Blogger. Isn't yours?